Família é garantia de “amor e compreensão”?

3488fecaa7074e6c66ed77f48b965ef6A família é a melhor organização afetiva? O que é família afinal? Quais são nossas reais expectativas e sentimentos? Por que, depois que nossos filhos nascem, parece que este ambiente se torna mais hostil e cheio de decepções? Este texto da psicanalista Laura Gutman vai mudar sua percepção de família e vai fazer você rever seu papel nesta construção!

Texto “A família nuclear” de Laura Gutman:

Namoramos e depois nos casamos quando sentimos uma forte atração sexual e afinidade um com o outro. Quando isso acontece, nós interpretamos que “este” é o amor. E com base “neste” amor, montamos nossos projetos familiares. Então, mais tarde, as crianças nascem.

Em seguida, os pais direcionam para eles toda sua capacidade de “doadores”. Nesta época, surgem as nossas limitações e nosso pouco hábito de estar a serviço dos outros, de nos dedicarmos e cuidarmos integralmente de outro ser (mesmo que sejam nossos filhos). Por isso, exigimos do nosso parceiro resolver os nossos problemas, e que seja alguém diferente do que realmente é.

O que fazer? Em primeiro lugar, entender que montamos uma família, mas que a própria família não é garantia de amor e compreensão. A chegada dos filhos pode ter sido planejada. Mas, se nós não conversamos honestamente sobre o que cada um pode oferecer em favor de outro, a rotina pode ser muito difícil de suportar. Além disso, vamos ser sinceros e perceber que, em nome do amor, temos a intenção de manter um sistema familiar em que devemos amar, mas na verdade, muitas vezes, estamos exaustos, com raiva e decepção. Nós acabamos respondendo aos comandos do que “deveria ser”, mas não do que é (de verdade). Nós aumentamos as demandas e expectativas em cima do nosso(a) parceiro(a), supondo que uma única pessoa pode encher a imensidade de buracos emocionais arrasta desde os tempos antigos (muitas vezes desde a nossa infância). Nós também acreditamos que o cuidado e atenção que as crianças exigem, devem ser cobertos pelo nosso parceiro no âmbito das modalidades que nós fantasiamos que estão corretos. Enfim, tudo isso é um grande mal-entendido. Porque temos a intenção de sustentar uma família, com base em uma ilusão coletiva, em lugar de nos perguntarmos – cada um para si – “com quem queremos compartilhar a vida e de que modo?”.

Há muitas maneiras possíveis de viver a vida. E todos são bons, enquanto eles estão alinhados com o coração de cada indivíduo e de acordo com as expectativas do outro. As dificuldades surgem quando permanecemos bloqueados em modalidades repressivas de convivência, apostando que dentro da família tem que se mover toda a energia-econômica, sexual, afectiva- em vez de ser honestos com nós mesmos.

A família nuclear: pai, mãe e filhos – pode ser boa o suficiente para produzir e acumular dinheiro e trazer segurança. Mas não é tão favorável para a troca afetiva, especialmente quando se torna uma prisão emocional cheio de proibições. A família nuclear não é em si boa ou ruim. É um tipo de organização possível. Mas se nós não estamos satisfeitos, nos sentimos infelizes ou se algum membro de nossa família expressa desacordo, vale a pena rever todos os acordos. Não há necessidade de haver uma certa maneira de viver. Pode existir um convívio em qualquer formato, desde que seja favorável para todos.

Por acaso devemos romper a família? Divórcio? Ir embora? Não necessariamente. A família é um campo de projeção. Tudo o que acontece, pertence a nós e temos contribuído para que se manifestasse. Assim, a infelicidade ou sofrimento nos permite rever o que temos construído, qual o nível de maturidade com que temos enfrentado as nossa ligações afetivas, que quota de liberdade assumimos e o que podemos fazer a partir de agora.

…………………………………………………..

LAURA GUTMAN tem graduação em Paris, em Psicopedagogia Clínica e mais tarde  especializou-se em temas de família. De orientação junguiana, formou-se com a renomada psicanalista Francoise Dolto.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s