Pensando sobre o “tempo de qualidade”

“Perdido é todo tempo que com amor não se gasta”  (Torquato Tasso)

2015-07-15_1004Uma manhã como outra. Atrasada, levo o filho para a cozinha e enquanto passo o meu café, tento apressada fazer com que ele me diga como quer seu pão e ao mesmo tempo peço que vá para o quarto e tire o pijama pois estamos em cima da hora e precisamos correr. Ele, por outro lado, brinca com o puxador do armário, puxa uma banqueta e me diz:
– Vou cantar pra você uma música que aprendi ontem na escola: “Todo dia o sol levanta e a gente canta o sol de todo dia…”

Ali na cozinha, parada enquanto a xícara transborda sobre a pia, olho o menino de cinco anos, um pequeno bárbaro que insiste em me conectar com o que realmente importa mas que infelizmente já esqueci.

A cena serve como convite para pensarmos em como arrastamos as crianças, mesmo sem querer, à nossa relação “adultocêntrica” com o tempo: angustiada, mercadológica, tensa e quase sempre insatisfatória.

O tempo e o controle do tempo que perseguimos à exaustão é o tecido para nossos projetos de vida. Ignorar que existe um mundo a nos exigir presença, assiduidade e dedicação é impossível. Apesar disso há um número crescente de pais e mães que resolveram não aceitar a naturalização dessa lógica de que o tempo com os filhos pode ser reduzido ao mínimo sob a ideia de que bastaria agendá-lo e intensificar a “qualidade ” do que se vive nestes poucos momentos.

A ditadura da “qualidade”, ideia volátil mas que entrou em nosso vocabulário com o sentido que as teorias de administração lhe dão, associa-se assim à ideia de “administrar e reduzir o tempo” e sem que percebamos estamos perseguindo com os filhos uma lógica de negócios: conseguir mais resultados em menor espaço de tempo.

Estar com os filhos, nesse sentido, passa a ser criar momentos curtos, mas intensos e que produzam algum resultado. Nesta perspectiva não há tempo para sentar e simplesmente ver o filho brincar. Não há tempo para conversas sem roteiro, para a partilha da delicada rotina do sujar-se e limpar-se, do choro e das risadas, sem nenhum objetivo direto exceto estar juntos no momento presente. Não há tempo, enfim, para a beleza da vida como ela é.

O tempo da criança, necessariamente à margem do relógio, está muito menos sintonizado ao ritmo da sociedade (que é o do mercado, da produção e do consumo) e muito mais ligado à subjetiva duração de suas experiências corriqueiras com o que a toca, a intriga e a move e precisamos limpar nosso olhar para a simplicidade e despojamento que isso exige de nós se decidirmos participar deste processo.

Certamente estar ciente desta necessidade de desaceleração e de abertura de espaço para a experiência de estar juntos no momento presente pode não ser o bastante para mudarmos nossa carga horária no trabalho, mas refletir sobre isso é um primeiro caminho.

O dia não ficará mais longo porque você sente que precisa participar mais da vida de seu filho, mas apenas se entendermos a beleza do compromisso que assumimos ao nos tornarmos pais e mães poderemos talvez mudar nossa perspectiva e passar a buscar novas formas de relação com o nosso tempo em família, revendo nossas prioridades e nossa ânsia por resultados, apaziguando nossos temores pelo futuro.
O historiador Edgar de Decca diz que o maior triunfo das formas modernas de produção foi conseguir enfiar um “relógio moral no coração de cada trabalhador”. O maior triunfo da infância, em contrapartida, é simplesmente resistir a isso e, se deixarmos, nos ajudar a ouvir de novo do nosso coração, não o tic-tac, mas apenas o pulsar.

Andréa Cordeiro é pedagoga e Doutora em Educação pela UFPR. Professora e coordenadora pedagógica na Educação Infantil por mais de vinte anos, hoje atua na formação de professores nos cursos de Especialização em Coordenação Pedagógica da UFPR. E é consultora e autora do Projeto Infantil do Mamaworking.

 

Advertisements

7 thoughts on “Pensando sobre o “tempo de qualidade”

  1. Reblogged this on Lótus Materna and commented:
    Excelente texto! Precisamos mesmo refletir sobre as nossas prioridades e como estamos nos relacionando com o nosso “tempo em família”. Mais do que “qualidade” é preciso entrega e presença verdadeira. Boa leitura! 😉

    Like

  2. Gostei muito!! Eu vivenciei uma verdadeira crise depois que meu filho Martin nasceu. Passei a viver mais angustiada por não poder dar a ele o tempo que ele precisava. Por causa disso, meu marido e eu tomamos uma atitude drástica. Decidimos mudar de vida e estamos nessa empreitada. Estamos contando tudo em nosso blog Vida Borbulhante. Assumo que não está sendo fácil, mais ainda que nos colocamos o desafio de encontrar um novo estilo de vida que nos permita ter mais liberdade em como vamos usufruir de nosso tempo. Mas, com certeza, cada minuto tem valido a pena e quem está ganhando com nossa escolha é o Martin. Obrigada por escrever um texto que contribui com o questionamento que precisamos fazer ecoar: Onde queremos chegar com uma vida louca como essa? Abraço. Melissa

    Like

  3. Oi Andréa,
    Simplesmente fenomenal o seu texto. Sou mãe de um lindo garotinho de quase 4 anos e, sem dúvida, ele me convida diariamente a sentir esse pulsar vital, enquanto eu sou refém desse relógio moral. Ainda bem que a infância dos nossos filhos escancara essa escravidão e nos lembra diariamente o que realmente importa.
    Um grande abraço,
    Jaqueline Lima
    http://www.verdemae.com

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s